Diário de gravidez : Descolamento do saco gestacional

Nem tudo são  flores  numa gestação.  Acho até  que não existe  gestação  “conto de fadas”.

Como já contei no meu primeiro post do diário de gravidez (aqui), minha gestação estava um paraíso, até começar a ter um pequeno sangramento. Eu já  desconfiava do diagnóstico e ele se confirmou, era o tal do descolamento do saco gestacional.

Nessas horas, a melhor coisa a fazer é correr pro hospital pra ter uma avaliação médica. Como já  perdi um bebê antes, fiquei até mais aliviada, já que o sangue vinha do descolamento  e não  do útero,  ou seja, meu corpo não estava em processo abortivo, como da primeira  vez. Porém tive complicações e o descolamento acabou virando um indício de que algo não estava bem no meu organismo (mesmo seguindo as orientações médicas) e por isso acabei perdendo pela segunda vez o meu bebê.

O que é o descolamento do saco gestacional?

O saco gestacional é  uma espécie  de bolha que se forma antes mesmo do embrião começar a se desenvolver, é dentro dele que o embrião vai morar, por isso é  muito comum você  enxergar somente o saco gestacional na ecografia até a 5° semana de gestação.

O descolamento do saco gestacional é um hematoma que acontece ali na região, formando um acúmulo de sangue (coágulos) na parede onde o saco gestacional deveria estar fixado, por isso muitas gestantes descobrem o problema através  do sangramento, massssss isso não é  regra. Tem muita mamãe por aí que descobre somente na ultra, sem ter sangramento algum.

Tem tratamento?

O tratamento na maioria dos casos é  a base de progesterona e repouso absoluto, até ele diminuir ou sumir por completo. É  necessário também repetir a ultra em mais ou menos 15 dias para acompanhar o desenvolvimento evolutivo do embrião e a regressão do descolamento.

Existe riscos?

O descolamento pode ocasionar no abortamento? Pode. Mas isso só acontece se você não seguir as recomendações médicas. Caso contrário você terá plenas condições de superar essa fase sem trazer riscos ao bebê. Se esse for o seu caso, respire fundo, tenha fé e siga todas as orientações, seu organismo logo vai se recuperar ;)

Em casos mais graves, ele pode ser um indicativo de alguma mutação genética (que descobri ser o meu caso) ou problema clínico que deixa o organismo propenso ao abortamento, como a Trombofilia, por exemplo.

Em caso de abortamento recorrente (ou seja, mais de 2 ou 3 vezes), o ideal é buscar um médico especialista em gestação de alto risco e buscar um aconselhamento genético para estudar as causas do problema. Geralmente esses especialistas atendem pelos próprios planos de saúde ;)

Sabe aquela história das nossas avós, que grávida não pode fazer nada? Hoje acredito muito na sabedoria dos antigos. Até a 12° semana de gestação, o embrião é tão frágil  que de uma hora pra outra tudo pode mudar, por isso assim que você  descobrir que está grávida reduza o ritmo das atividades até que seu médico possa fazer uma avaliação.

 

Veja também

Compartilhar

Sobre Rubia Rocha

Rubia Rocha, publicitária, designer e apaixonada por artesanato, estava decidida a produzir o seu próprio casamento na intenção de encontrar alternativas criativas para subir ao altar. Para se organizar melhor, começou a arquivar as melhores inspirações e ideias no Blog do casamento, que hoje é referência no assunto.



Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado Os campos obrigatórios estão marcados com *